0

Logo alfacon 1e2926b0dc1c5b43342561d71a0f85e83ef3776d6378a85a56a2c1e4d39dc64d Alunos Aprovados

Estude com quem mais aprova!

  • 1/3 dos aprovados na Polícia Federal são Alfartanos!
  • 1º lugar nacional na Polícia Rodoviária Federal é Alfartano!
  • 1º colocado no DEPEN é Alfartano!
  • 662 aprovados no INSS são Alfartanos!
  • Mais de 400 aprovados no TJ PR são Alfartanos!

Faça parte dos mais de 55.000 alunos aprovados!

Evandro 01 bb9c1691ba19a76f0d5aad5139206d3c7501ea2fe67c818d203694b9ae35bb17
  • Marcos Medeiros Polícia Civil do Mato Grosso do Sul
    Mqdefault
  • Gabriel Lopes Possamai Polícia Civil do Mato Grosso do Sul
    Mqdefault
  • Artur e Cristiano TJ SP 2017
    Mqdefault
  • Janilson Erick IBGE - 2017
    Mqdefault
  • Cristiano Antonio de Souza Polícia Rodoviária Federal 2013
    034 %281%29

    O Alfartano: Meu nome é Cristiano Antonio de Souza. Sou de Maringá/PR, hoje tenho 36 anos e sou formado em Direito e Gestão Pública, estudo pra concurso desde 2004, primeiro fui soldado bombeiro, depois entrei

    para Agente Penitenciário do Paraná, inclusive morei em Cascavel, onde fica uma das sedes do AlfaCon, pois trabalhei na PIC e na PEC.

    A preparação: Para prova objetiva da PRF eu estudei quase 4 anos, pois estudei desde o concurso de 2009 até o de 2013, 2009 eu fiz mais estudei

    somente com edital aberto, daí não deu pra passar. Mas, já vi que fui até mais ou menos bem, foi quando pensei, “opa, estudar adianta” Peguei firme até a prova de 2013. Estudava todos os dias de manhã e à tarde. A noite ia pra faculdade de Direito, além de, ver aulas que ajudava no conteúdo, também resolvia muitas questões na sala de aula, muitas mesmo! Durante a aula ficava no computador respondendo no questões de concursos. Eu trabalhava e estudava, e quando podia, estudava durante o trabalho. Estudei

    muito por livros de doutrina, até acho que demorei

    mais para ficar bom, pois era muito abrangente, mas é isso, muita doutrina, vi também muita aula do Evandro, bastante mesmo, de penal e administrativo, achava muito didática, ele é bem direto, muito bom mesmo. “usei

    muito os puxões de orelha dele, pra estudar”, pensava e falava pros outros”. Preciso melhorar a questão de não estudar tanto as matérias que não era Direito, pois quase não pegava, daí causava mais insegurança. Tenho que rever isso.

    Dificuldades: Não pensei

    em desistir não, apesar do cansaço, pois é difícil mesmo, cansativo. Vontade as vezes ficar o dia todo sossegado, mas não parava não. Foi difícil abdicar de algumas coisas, pois deixava esposa de lado, e no meio do caminho uma filhinha nasceu. Deixava de brincar pra ficar no quarto trancado, mas claro, tinha alguns momentos horas de lazer e às vezes ficava com minha família. Eu em particular, tinha um pensamento, de não estudar aos domingos, esse dia era para família, descansar etc. Salvo se estivesse de plantão, aí lá estudava mesmo sendo domingo, uma vez estava de plantão bem no Natal, e estudei o dia todo.

    Sempre tive apoio da minha família, ninguém distanciou-se de mim.

    Os concursos: Antes da PRF, eu tentei Polícia Federal, mas não lograva êxito pois estudava específico para PRF e não estudava nada de contabilidade, economia etc. Uma vez fiz todas as fases do concurso do TRT para técnico aréa de segurança, em que fiz provas de direção e tal, com uma Van.

    Estudei desde o último concurso, a motivação era porque sabia que uma hora ia ter de novo PRF e porque comecei a sonhar com esse cargo. Inclusive ao final vou contar o que aconteceu, pois ainda não tomei posse, e continuo estudando.

    O AlfaCon: Uma vez encontrei um amigo aqui em Maringá, como trabalhamos juntos, conversamos e eu disse que estudava pra PRF, daí ele disse que dava aula em um cursinho, e me disse o nome e pra procurar na internet, foi aí que procurei e conheci. As aulas e notícias do AlfaCon, me ajudaram muito, pois via muita aula além das minhas leituras, e casa vídeo postado eu estava lá assistindo.

    Ansiedade: Para controlar a ansiedade, potencializei estudo, sempre faço assim, não consigo descansar na véspera, por exemplo no sábado, em que a prova era no domingo, estudei o dia todo lá em Curitiba, tento ver coisa sobre a matéria até no momento ali, anterior a prova. A ansiedade, nem sei, apenas tento não pensar e ficar calmo, mas é dureza.

    Alfartano… estude muito e sonhe!

    Ler depoimento completo
  • Tiago Neves Vanderlei Polícia Rodoviária Federal 2013
    Tiago neves vanderlei02

    O Alfartano: Meu nome é Tiago Neves, tenho 27 anos, sou natural de Brasília/DF. Sou formado em Engenharia Elétrica e decidi estudar para concursos públicos depois de ver que o mercado demoraria muito a me dar um retorno financeiro naquele momento (recém formado).

    A preparação: Me formei no final de 2012 e desde então recebi o apoio dos meus familiares. Me dediquei somente para os concursos públicos, estudava em média 8 a 9 horas por dia, todos os dias da semana. Quando via que estava cansado demais, sai um pouco... mas nada muito agitado. Criei uma rotina boa de estudos. Acordava às 6:30 e ia direto para a academia. Começava a estudar mesmo às 8:00 e parava 12:30. Almoçava e ia tirar um cochilo. Às 14:00 eu começava de novo e só parava às 18:00 quando ia tomar um banho, comer algo e ir para o cursinho presencial que fazia aqui em Brasília.

    Como minha formação não era jurídica tive que estudar matérias como Direito Administrativo e Constitucional do início. Comprei dois livros e comecei. As matérias básicas tive mais facilidade, inclusive em raciocínio lógico, pela minha formação. Assim no final acabei por dedicar mais tempo às matérias específicas, mas nunca negligenciei as básicas.

    Eu apenas estudava para concursos. No entanto para me manter eu fazia alguns projetos que me rendiam algum dinheiro para poder ficar tranquilo e apenas estudando.

    Minha técnica pode parecer meio arcaica, mas comigo funciona. Chama-se Livro (apostila), caderno e caneta. Fazia resumo de tudo. E depois entrava em um site de exercícios e fazia o máximo que dava, depois assistia vídeos no Youtube no canal da alfacon.

    Motivação: DESITIR JAMAIS. Quem era nesse mundo dos concursos públicos não pode desistir. O que existe é uma fila e sua hora vai chegar. Eu sempre lembrava que eu não era melhor que ninguém e ninguém era melhor que eu. Todos somos capazes o que muda é a sua dedicação. Não existe esse negócio de se dedicar

    60%, por que você pode ter certeza que alguém estava se dedicando 70%, outro 80% e eu estava 100%, 99% talvez. rsrsrs. Eu havia entrado no jogo. E quando se entra no jogo é para ganhar. Minha motivação era essa.

    Abrir mão? Com certeza. Na

    verdade que gosta de você e entende seu objetivo não vai te abandonar. Nunca deixei de sair, ir a um aniversário ou uma festa, mas diminuí bastante. Isso vai de cada um saber dosar o seu lazer sem perder o foco no objetivo.

    Apoio da família: Atualmente moro com minha mãe e sou noivo. Todos meus familiares me apoiam nessa rotina de estudos. Inclusive comecei a namorar com minha noiva em um grupo de estudos (pessoas com objetivos parecidos se aproximam). Mas sempre existem aquelas pessoas que se afastam e não entendem o seu objetivo, infelizmente a dica aqui é não se importar e deixe elas acharem que você está errado. O que importa aqui é o que você acha e o que vocÊ quer.

    O mundo dos concursos: Sim, no ano de 2009 fiz meu primeiro concurso público para agente administrativo do DETRAN-DF, fingia que estudava... resultado: Reprovado com louvor. rsrsrs. Estava no meio da faculdade e decidi por estudar para concursos apenas quando formar. Me formei no final de 2012 e comecei a estudar para concursos dia 03/01/2013. Estudei muito, não vou mentir. E os resultados apareceram em menos de 4 meses, passei para Técnico do MPU, alguns ministérios, passei na Objetiva do DEPEN, acho que não estava suficientemente preparado para perito criminal da PF e reprovei, e chegou o concurso da PRF e fui fazer também. No dia seguinte a prova, corrigi e vi que eu havia ido super bem e poderia estar entre os 300 primeiros. Continuei estudando... saiu o edital da PCDF e fiz também. Saiu o resultado da PRF e vi que eu havia ido melhor do que eu esperava, estava entre o 100 primeiros. A fiquei doido. rsrsrs. Nesse meio tempo havia sido nomeado no MPU e começariam as demais etapas do concurso da PRF. Nessa fase tenho que admitir que não conseguia estudar. Era treinando para o TAF, marcando exame

    e tudo mais. Recebi depois o resultado da PCDF e vi também que havia passado entre os 60 primeiros. No entanto o concurso da PRF já estava mais adiantado e resolvi focar mais nele. O ano virou e já era 2014 e em fevereiro

    foi para Florianópolis/SC para o curso de formação da PRF. Assim que o curso acabou fui convocado para o curso da PCDF. Optei por escolher a PCDF por ficar lotado em Brasília/DF, sendo que na PRF poderia ficar no máximo em Goiás. Confesso que pensei muito... mas ficar próximo da família havia pesado mais. Resultado: Hoje sou Escrivão de Polícia da PCDF, e um PRF por consideração e respeito à aquela instituição que me treinou e me fez uma pessoa diferente.

    No entanto minha trajetória de concursos não para por ai. Com a expectativa do Concurso de Perito Criminal da PCDF em 2016 me dediquei muito... Tirei férias, troquei plantões... tudo isso para estudar. E o mais incrível é que o resultado apareceu... 35º lugar, mas por algum deslize reprovei na redação e fiquei de fora. Acho que não era o momento ainda. Não parei de estudar... e hoje comecei uma faculdade de direito e estou me direcionando para outros objetivos (a longo prazo).

    Quando começar a estudar? Eu comecei a estudar assim que formei... peguei os editais antigos e vi o que caia e comecei. A minha motivação era que eu não tinha nada e se quisesse alguma coisa da vida eu teria que estudar, e muito.

    O AlfaCon: Conheci a Alfacon na internet, e passei a seguir a página, tinha uns vídeos no youtube também que eu sempre assistia. O AlfaCon me ajudou muito em uns simulados e aulas que eu fiz na internet. Sempre assistia os vídeos do evandro e ele falando: "Alô você!" Ouso a dizer que teve um simulado que eu fiz que me abriu a mente e me colocou mais atento para estudar. Valeu a pena!

    Obstáculos: Parei para pensar que minha parte eu estava fazendo. Pensei comigo mesmo: Se é para ficar nervoso, ansioso, triste... tenho o direito a tudo isso, mas tenho que fazer isso em cima de um livro e estudando. Não importa!! Nunca pare de estudar.

    Ansiedade: Nos últimos dias eu revisava tudo, lia meus resumos, assistia vídeos curtos, e fazia exercícios. Só deixava para descansar na véspera da prova. Sempre botava na minha cabeça para me acalmar... "Todos são capazes. Não sou melhor que ninguém, e ninguém

    é melhor que eu, mas minha parte eu fiz e estou preparado!" A maior dificuldade foi a ansiedade... Sou uma pessoa naturalmente ansiosa, mas tive que trabalhar isso.

    Efetividade: O que foi efetivo na preparação foi acreditar em mim mesmo... Sempre ajudar o próximo (nunca guarde as informações só para você) o bem sempre volta de onde veio. Seja humilde e acredite: em tudo você pode aprender. Nunca subestime um colega ou um professor, pois sempre, digo sempre, você vai aprender uma coisa nova. Faça uma atividade física para se manter ativo e pensar melhor.

    Acho que uma falha que eu tive e não repetiria era deixar algum dia sem estudar. Devo ter feito isso algumas vezes, e sinto que se a pararmos estamos nos distanciando do nosso objetivo. Mas a disciplina foi maior e eu consegui

    Alfartano… DESISTIR JAMAIS. Se for para desistir nem comece!! Quero te falar meu amigo, que a fase mais difícil do concurso não é a prova. E sim sua determinação e disciplina diária. Você passa em um concurso não é no dia da prova e sim todos os dias. Acredite! Os resultados aparecem, basta você fazer a sua parte. Durma todos os dias com a consciência limpa e sensação de dever cumprido. se isso não está acontecendo,

    mude de postura, de pensamento e principalmente de atitude. Não são todos que estão dispostos a sair da zona de conforto, quando veem o tamanho do desafio, tendem a por obstáculos no início da jornada. É por isso mesmo que poucos chegam lá , porque são poucos que dormem mais tarde pra estudar, poucos que acordam mais cedo pra estudar. VOCÊ FAZ PARTE DE UM SELETO GRUPO!!! A tendência do homem é querer o mais fácil, mas infelizmente o mais fácil de hoje não condiz com as expectativas do preguiçosos, a vida retribui, a energia que você poupa hoje em busca de um vida melhor será gasta em lamentações e arrependimentos por um dia não ter tentado ser mais forte. Aplique sempre o seu melhor, e lembre-se que se esforçar apenas 40%, sempre vai existir alguém investindo 60% a mais que você!

    Ler depoimento completo
  • Luis Eduardo Gomes de Almeida Polícia Rodoviária Federal 2013
    Blank avatar 78a18a07ec53452a6439f8a0d49a24694ea33cc3713805b73c402189b2de0a89

    O Alfartano: Meu nome é Luis Eduardo Gomes de Almeida. Sou natural de Nilópolis- RJ, atualmente resido em São José dos Campos- SP. Sirvo na Força Aérea Brasileira- Centro de Tecnologia Aeroespacial (CTA), como 2º Sargento, tenho 35 anos e sou formado em Licenciatura em Matemática, cursei os dois anos iniciais na Universidade Estadual de SP (Unesp) e concluí meu curso pela UNISUL na modalidade à distância com bolsa integral pelo PROUNI. Antes, achei que passar para Escola de Especialista de Aeronáutica (Eear) estaria realizando meu sonho, mas devido a baixa remuneração que atualmente recebo e a falta de oportunidade de crescimento que a própria estrutura da carreira não proporciona, por essa razão, com a orientação de Deus, resolvi embarcar na vida dos concursos públicos, batalha que ainda vou comemorar a vitória.

    O início: Confesso que a primeira orientação que tive foi em alguns aulões Free ofertados pelo AlfaCon, pelo professor Evandro Guedes, sempre me

    dediquei as disciplinas que tenho um pouco mais de dificuldades, como Língua Portuguesa e Noções de Informática. O tempo que levei para ser aprovado na PRF 2013, NÃO tenho como estimar exatamente, pois isso foi fruto também da minha preparação para o concurso que atualmente exerço o cargo. Comecei a estudar em 2003 para Eear e fui aprovado em 2004, fiz o curso de formação durante 18 meses, depois entrei para faculdade em 2007, nesse período cheguei a fazer alguns concursos para tribunais, sem dedicação exclusiva, porque estava fazendo faculdade junto. Terminei meu curso em 2012. Então a partir daí, resolvi me preparar para PRF, tive a oportunidade de conhecer o curso AlfaCon procurando vídeo aula de atualidades no Youtube. O tempo de preparação específica para PRF 2013 foi de aproximadamente 7 meses, entretanto já vinha estudando algumas matérias relacionadas. Concilio estudo com trabalho atenção para família. Estudo nas horas vagas e quando chego em casa.

    Motivação: Sim, tenho uma vontade muito grande de conquistar o cargo que proporcione uma remuneração que atenda minha expectativas de vida. Nunca pensei em desistir, mas fiquei um pouco decepcionado por não ter conseguido passar no teste físico da PRF 2013, concurso que me deu “sangue nos olhos” quando vi o edital aberto no site do PCICONCURSOS. Graças a Deus, dei a “volta por cima” e não parei de estudar.

    Abdicar...Tenho uma esposa e uma filha que estão sempre ao meu lado, pais, irmãos e as amizades estão no RJ, por isso não enfrento muita dificuldade para estudar. O mais difícil ,confesso que são os finais de semana que sempre surgem os churrascos com aquela cerveja gelada, mas

    quando tenho qualquer programação, acordo mais cedo para não perder o dia completo de estudo. Minha esposa e filha entendem completamente, mesmo porque já acostumei ela desde quando casamos o mais difícil e não participar muito das brincadeiras da minha filha.

    Outros concursos: O que eu quero é a PRF, mas tenho afinidade

    com

    o cargo de Técnico Judiciário- Segurança e Transporte que sempre que tenho oportunidade faço. Também fui aprovado e classificado para inspetor de segurança da Câmara Municipal do Rio de Janeiro em 2015, mas acho que não devo ser chamado, por causa do número de vagas.

    O AlfaCon: Conheci o AlfaCon por meio do canal do YOUTUBE, procurando vídeo aula de atualidades, então percebi que a equipe de vocês é excelente.

    O AlfaCon me auxiliou com vídeo aulas, simulados gratuitos e as aulas Free com Evando, Chê e outros participantes, confesso que os caras ejetam adrenalina motivando qualquer guerreiro a não desistir dos seus sonhos, dando muita força!

    Mensagem ao concurseiro: Eu não conquistei minha vitória, mas ela está por vir. Então eu diria que as dificuldades induzem ao desafio e a dedicação ao caminho da vitória.

    Ler depoimento completo
  • Thiago Campos Polícia Rodoviária Federal 2013
    Thiago campos

    Meu nome é Thiago Campos, sou natural de Medianeira, Paraná. Tenho 30 anos e minha formação é Farmacêutico Bioquímico. Resolvi estudar para concurso pois, na verdade, ser policial é um sonho antigo, meus estudos sempre foram direcionados para essa área.

    Os estudos: Comecei estudar em janeiro de 2011, conquistei a aprovação em agosto de 2013. Comecei com um curso preparatório durante o período da noite, foram 6 meses (conciliava trabalho e estudo), depois me dediquei por 7 meses em tempo integral aos estudos, em casa, estudei por livros e resumos e muita questão (período que vendi meu carro para poder ficar esse período sem trabalhar), finalmente o restante do período foi conciliando trabalho e estudo, estudava de segunda a sexta, 4 horas por noite, sábado dois períodos (tarde e noite) e domingo dois períodos (manhã e tarde), separava o domingo para simulados e redação. Dividia o tempo por igual para as matérias (tendo por base o edital de APF).

    Comecei a preparação com um curso preparatório para agente da PF, depois adquiri alguns livros (da área de direito) e conciliava o estudo com matérias do ALFACON e Euvoupassar, além de muitas questões de concurso. Assim consegui todo material que precisava para abranger todo edital.

    Falhas na preparação: Muitas falhas com certeza. Muito tempo perdido estudando errado, estudando mais que o edital pedia, esquecendo de ler a lei seca, fazendo poucos exercícios.

    Motivação: Estar motivado o tempo todo é impossível, conciliar a vida profissional, pessoal e estar focado em alcançar a aprovação não é tarefa fácil, primeiro porque você tem que abrir mão do convívio dos familiares e amigos, do lazer, pois todo tempo disponível deverá ser utilizado para o estudo. Quando a aprovação não vem, a ideia de desistir sempre vem a mente, você pensa em todo esforço, todo sacrifício e se pergunta se valeu a pena. Mas ai você lembra do quanto quer um trabalho melhor, que seja gratificante, que além do salário te faça levantar motivado para ir trabalhar e recomeça!

    Abdicar é necessário? Festas e churrascos com amigos não existiram nesse período, formaturas e casamentos também não. Cada hora de sono era fundamental entre acordar disposto para estudar no domingo ou perder um período valioso de estudo. VocÊ faz a escolha, e arca com as consequências. Conheci muitas pessoas que queriam passar em concurso, mas não queriam abrir mão de nada. Não se pode ter tudo, é preciso priorizar e ter foco. A diferença está no resultado.

    Apoio: Sou casado, minha esposa esteve comigo, estudando junto, um apoiando o outro nesse período, isso fez toda diferença, deixamos de aproveitar muita coisa nesse período, mas hoje somos servidores do executivo federal e não nos arrependemos das escolhas feitas. E depois do objetivo alcançado é vida normal, os amigos a família, todos que se importam com você e respeitam a decisão entendem o quanto é difícil e o que é necessário para realizar esse sonho.

    O concurso: Já fiz 09 concursos, sendo aprovado em três, toda prova é válida, serve de experiência para controle de nervosismo, desenvolver estratégia de prova, organização, tempo. Tudo contribuiu para o resultado final.

    A prova: A preparação tem que ser contínua, estudar só quando o edital está aberto é arriscado, o fato de eu não ter parado de estudar me manteve preparado. A questão da motivação é a “querência”, é a vontade de mudar de vida!

    O AlfaCon: Conheci o AlfaCon pelo Internet. Comprei alguns cursos em vídeo aula, apostila para PM/PR e um curso de simulado.

    Dificuldades: O mais difícil é vencer o cansaço e continuar evoluindo nos estudos, sempre saindo da zona de conforto e buscando qualidade no aprendizado. Identificar minhas dificuldades e elaborar estratégias de estudo. Algumas matérias aprendia melhor com vídeo aluas, outras com livros e ainda tinha aquelas que eram apenas com exercícios.

    Ansiedade:

    Mantive minha rotina normal, o nervosismo foi diminuindo com a experiência adquirida.

    Alfartanos, não desistam! Esse período como concurseiro parece inacabável e muito duro, mas ver seu nome no diário oficial faz você entender como tudo isso valeu a pena. E nunca duvide, você vai conseguir. Não é “se”, mas “quando”. Se você se dedicar e seguir à risca as dicas valiosas que o pessoal do ALFACON passa será questão de tempo até ver seu nome entre os aprovados!

    Ler depoimento completo
  • Luiz Henrique Dsiedzic Soares Polícia Rodoviária Federal 2013
    Luiz henrique dziedzic 01

    Depois de todas as etapas vencidas (Prova objetiva, Redação, TAF, Exame Médico, Psicológico) finalmente posso falar que estou aprovado na Polícia Rodoviária Federal. Todos sabemos que a caminhada até a aprovação de um concurso público é complicada, e com certeza a minha não foi diferente. Sempre fui apaixonado pela área policial, tendo em mente ser um Policial Federal ou Policial Rodoviário Federal. Com o passar do tempo fui me identificando com a PRF, e tudo deu certo para que eu a escolhesse. Estou me formando agora (faço Ed. Física na Universidade Estadual de Maringá), e no meu último ano de faculdade, prestes a pegar o diploma de ensino superior exigido para ser Agente da PRF, surgiram, no começo do ano, os fortes indícios sobre o “possível” concurso.

    Eu sabia que a caminhada não iria ser fácil. Levar faculdade, sem nunca ter relado a mão em um material de Direito, sabia que ia ser um desafio e me exigiria muitas horas diárias de estudo para eu conseguir o êxito. Muitas pessoas, como sempre, falando: “Luiz, você só tem 21 anos, tem muito tempo pela frente, aproveita a vida, estuda pra concurso depois que se formar, acha que é fácil passar em um concurso de nível federal e superior?”. Eu ignorava, absorvia apenas as palavras de apoio, de meus pais, familiares e amigos que acreditava em mim.

    Meus estudos começaram em Março de 2013, assistindo um aulão da PM-PR pelo Alfa, o melhor professor de Direito Administrativo do Brasil, Evandro Guedes, soltou um cupom de 50% de desconto para qualquer curso. Na hora eu peguei e não pensei duas vezes, fui e comprei o pacote da PRF. A partir daí foram 5 meses de estudos e mais estudos. Perdi as contas de quantas madrugadas eu passei em claro, tomando café pra ficar acordado e estudando, e quando via já eram 7 horas da manhã. Outra coisa que merece destaque é que o concurso público não te dá só um cargo, ele também te dá amigos. Ter um parceiro que tenha o mesmo objetivo que você é essencial, e meu amigo Diego (também aprovado) foi esse parceiro que estava ali do lado incentivando, mesmo morando em Curitiba, me apoiava diariamente nos estudos, um dava força para o outro, o que com certeza foi de extrema importância, além do meu amigo Bruno (também aprovado), presente em todas as outras fases do concurso, sempre acreditando e dizendo que esse concurso era nosso. Um fator, a meu ver, decisivo para uma aprovação é a metodologia de estudo usada pelo concurseiro, e a minha foi a seguinte: Curso em vídeo-aulas pra pegar a base, sempre fazendo resumos, e principalmente na reta final da preparação realizar muitos exercícios da banca. Ainda mais no meu caso, em que eu não poderia perder tempo, pois estava correndo contra o tempo pra conseguir estudar toda a matéria do Edital, haja visto que eu não tinha conhecimento de muitas matérias ali presentes.

    Quando chegou dia 11 de agosto, dia da prova, estava tranquilo, confiante que eu tinha feio meu melhor e estava preparado. Sai da prova com a certeza de que seria aprovado. O gabarito preliminar só veio para confirmar. 79 pontos pelo gabarito do Alfa (77 pontos no definitivo) me deixaram tranquilo, esperando pela nota da Redação. Após a aprovação, várias outras etapas vieram. Sempre tive os pés no chão, sempre confiando que eu passaria, mas nunca comemorando antes da hora. E hoje o fruto de todas as coisas que me privei de fazer durante esses meses chegou. Meu sonho está se realizando, com 22 anos estou me tornando Policial Rodoviário Federal. Agradeço imensamente a todos os professores que eu tive, a equipe do AlfaCon, que não ensina somente a matéria, ele ensina como se comportar diante de um concurso em si. Não tem segredo, quer ser aprovado em Concurso Público? Foco, Auto Confiança, Fé e Dedicação! E como diz o Evandro: “Estude, pois a caneta é mais leve que a pá, filho.” Rs

    Obrigado pela oportunidade, e sucesso a todos!”

    Ler depoimento completo
  • Samuel dos Santos Prado INSS 2016
    Samuel dos santos prado   alfacon

    Meu nome é Samuel dos Santos Prado, tenho 26 anos, moro em Fazenda Rio Grande-PR, tenho o Ensino Médio. Decidi estudar para concursos públicos após inúmeras decepções, humilhações e baixa remuneração no período em que trabalhei em empresas.

    Estudei por 11 meses, de segunda a sábado numa média de 6 horas por dia, com um simulado aos domingos. Como comecei do zero, no início estudava bastante português e previdenciário, que eram as matérias mais numerosas na pontuação, mas não deixava nenhuma outra sem atenção. Com o passar do tempo fui ajustando as proporções de acordo com meu desempenho. Todo esse período de estudos foi muito intenso, tive que aprender muitas coisas que não aprendi no meu medíocre Ensino Médio, o português, por exemplo. Precisei aprender a aprender. Dos 11 meses que estudei, passei 8 desempregado, fato que me ajudou a ter tempo para estudar, apenas conciliava com a procura de emprego. Quando trabalhava, estudava no horário de almoço e quando chegava em casa também. No início, pela falta de dinheiro, estudava as leis e baixava videoaulas do Youtube. Depois comprei uma apostila do Alfa, que me norteou até a véspera da prova, comprei o Detonando a Banca e baixava vários exercícios. Incrível como a apostila respondia quase todas as questões que caíram na prova, foi a melhor escolha. O plano de estudos também foi fundamental.

    Minha situação era desesperadora, acho que isso foi crucial para não desistir em momento algum. Minha esposa sempre me motivava, isso era muito importante. Contas atrasadas, devolver o carro para o banco, meu chefe me dizendo que eu nunca iria passar, foram fatores que me impulsionavam demais a estudar. Foi bem complicado, mas como eu não tinha dinheiro pra nada mesmo, saía pouco. Passei vários finais de semana ensolarados trancado no quarto estudando.

    Sou casado, por sorte, sempre tive apoio da minha esposa, que entendeu perfeitamente que tudo aquilo era importante.

    Fiz apenas um concurso antes, de Assistente Administrativo da prefeitura de Mandirituba – PR, passei em 1º e estou trabalhando atualmente. Foi uma excelente experiência, pois a prova foi um mês antes do INSS. Comecei uns 6 meses antes de sair o edital, como decidi estudar realmente para passar, isso foi determinante. Eu sabia que uma hora o edital sairia e quanto mais antecedência maior a chance de conseguir o objetivo.

    Conheci o Alfa através dos vídeos do Evandro no Youtube, me identifiquei completamente e vi que o Alfa me ajudaria a passar de verdade. Primeiramente pela motivação, que me atraiu já de cara, os materiais de alta qualidade, o suporte que o Alfa dá em todos os momentos, os planos de estudo de gente que realmente entende do assunto.

    Nunca havia estudado para concursos, tudo era novo, fui mais na insistência do que na técnica no inicio. Depois comecei fazer as revisões sistemáticas, a forma de leitura ficou mais apurada, pequenos resumos. Mas nada de outro mundo, insistência é a melhor técnica.

    Acho que a maior dificuldade encontrada foi driblar a falta de dinheiro e não ter internet em casa.

    Para superar os obstáculos contei com muita ajuda da minha família em especial minha mãe, e na questão da internet, eu era um frequentador assíduo das lan houses.

    Eu estava confiante, pois sabia que tinha feito uma boa preparação, mas lógico que a pressão é inevitável. Nos últimos dias procurei ocupar todos os momentos livres estudando, antes não conseguia estudar mais de 7 horas por dia, mas na reta final fui obrigado a conseguir, revisava tudo exaustivamente.

    Fazer milhares de exercícios e refazê-los várias vezes. Errei em não dar uma atenção em todos os pontos do edital, LOAS por exemplo, li poucas vezes e caíram 9 questões sobre ela.

    Não desistam jamais, por mais que esteja difícil e pareça que não vai dar certo, continue. Não deixe ninguém te botar pra baixo, tenha espírito de guerreiro, busque melhorar a cada dia. Pense na sua família e na cara de tacho da pessoa que disse que você não ia passar quando souber da sua aprovação.

    Ler depoimento completo
  • Julia Rosales INSS 2016
    Julia indira   alfacon

    Minha trajetória como concurseira ainda não terminou. Nem aqui foi meu começo. Quando escolhi fazer a faculdade de direito, foi porque pensei em ser juíza, obviamente não imaginava que o vestibular era apenas uma das menores etapas do percurso. Ao terminar o curso resolvi primeiro dediquei-me ao exame da OAB e aproveitei o embalo nos estudos para alcançar meu objetivo, foi quando me deparei com os 5 anos que eu tinha perdido, explico: em meio ano de cursinho parece que aprendi muito mais do que na faculdade inteira. Eu tinha acabado de ter um filha, mas, embora solteira, minha família me apoiava bastante. Comecei a fazer alguns concursos, mas logo veio a alteração que definiu para muitos cargos 3 anos de atividade jurídica, o que até se conciliou com o fato de eu não conseguir ficar sem trabalhar. Acabei redirecionando meu foco para o IRB, nem lembro o porquê, e acabei por acreditar em um curso com renome mas que estava iniciando o curso para a carreira diplomática, acabei perdendo tempo e me desmotivando. Comecei a advogar e numa ida ao TJ acabei por participar de um processo seletivo para cargo em comissão de oficial de Gabinete de Desembargador, com muitas horas de trabalho não remunerado acabei por conseguir a vaga, adorava o trabalho, sobretudo porque era na área de minha pós: direito público. Mas, um tempo depois, veio o primeiro balde de água fria, que me acordou para o que aprendemos em Direito Adm: livre nomeação e exoneração. Voltando do recesso levei um tchau, mas como gostava muito do trabalho passei por tudo novamente, assessorei uma desembargadora gratuitamente até conseguir uma vaga, agora na Câmara de Direito Bancário. Nunca desisti dos concursos, continuei fazendo. Por acaso vi o concurso do Banco do Brasil com inscrições abertas e como meu pai um dia tinha falado que era um bom emprego, até porque a mulher dele se aposentou pela caixa, acabei fazendo, estudei por conta e passei, deixei o cargo em comissão para assumir o emprego público, financeiramente não haveria mudança. Nessa época também prestei concurso para Delegado PCPR e passei para a segunda fase, mas um término de namoro me fez desconcentrar e perder uma chance, que espero saber aproveitar melhor da próxima vez. O banco: foi um atraso de vida, adoeci e me stressei muito, senti-me "emburrecendo", por isso continuava fazendo concursos, mas não conseguia estudar, o desgaste mental do trabalho me deixava exausta, mas nunca desisti, passei em 1º no cargo ASO controle da CBTU/Maceió, fato que me alegrou, mas era cadastro de reserva e devido a suspensão dos PACs até hoje não chamaram. Fui demitida por suposta justa causa do BB, e sobre isso espero justiça, mas era algo que tinha que acontecer (eu ter saído daquele emprego -mas não terem saído comigo- e ir em busca do meu objetivo inicial). Apesar de revoltada, ouvi de muitas pessoas, principalmente da minha filha, o como eu estava melhor, mais calma. Comecei a estudar por conta, novamente, assistia muitas aulas no youtube, foi aí que conheci o alfacon. Percebi que faltava foco, então resolvi adquirir o curso do alfa para o INSS, mesmo sem edital aberto. Consegui mais disciplina, vendo um encontro por dia, acabaram as aulas e eu comecei a rever o curso, já no desespero porque sem edital e vendo o prazo do acesso acabar. Aproveitei o estudo para os concursos abertos, me classificando em 34º em analista da DPU/Curitiba). Foi quase no último dia de acesso que o edital foi lançado, estendendo o curso até a véspera da prova, quase um semestre para se dedicar, confiante no Alfa, comprei a apostila de matérias do INSS e um combo com outras 4 de exercícios e simulados. O curso foi atualizado e comecei a estudar, na medida do possível, da forma que o Tche e Evandro ensinavam 1/3 do tempo uma matéria 1/3 outra e o outro terço exercício, as vezes tirava um dia para fazer só simulado, metade do tempo uma matéria e metade outra, tentava ler a legislação seca (lia várias vezes os principais artigos da CRFB atinentes à prova, mas as leis específicas pequei, focando apenas nos dispositivos principais). Apesar de saber que não estaria me esforçando 100%, continuei de leve minha vida social (pelo menos uma vez aos finais de semana me reunia com meus amigos) e trabalho, além claro de ser mãe de uma parceirinha nota mil de 9 anos. Acordava entre 6:20/7:20 e começava a estudar, levava minha filha para a escola e de tarde era advogar e academia, de noite era "só mãe". Graças a Deus e claro a meu esforço e auxílio do Alfa pontuei muito bem na prova do INSS. Muito embora alguns assuntos não tenham sido abordados (o que não vejo como tendo sido erro do curso, mas da banca). Não deixei nenhuma questão em branco e imagino que isso me fez ganhar muitos pontos. Apesar de o Evandro sempre falar que a gente precisa só de um cargo, rs, esse não é nem de longe o que "eu preciso", mas para todo fim temos que percorrer meios, muitos meios que nos fortalecem, embora as vezes a gente ache que não dá mais, que é o fim da linha, persistência, resiliência, disciplina, buscar sempre ser melhor é o que deve nos mover.

    Ler depoimento completo
  • Leandro Gaspar INSS 2016
    Leandro gaspar   alfacon

    Meu nome é Leandro Gaspar, sou de Maringá-Pr, tenho 38 anos, formado em administração. Decidi por concurso público pela possibilidade de obter estabilidade e um ganho garantido. Estudei por exatos 12 meses completos na semana de prova. Minha rotina foi bem intensa, estudava em torno de 6 horas por dia, dividindo os estudos em várias partes, específicas, que comecei praticamente do zero, português, que dei uma boa revisada, raciocínio lógico que aprendi a gostar. É claro que durante as horas de estudo eu procurava estudar mais específicas, pois era o que pesaria mais. Eu tive uma grande vantagem nos meus estudos. Como meu trabalho é de vendedor externo, eu ouvia aulas no rádio do carro durante boa parte do dia, o que me ajudou grandemente, e também estudava no hotel durante à noite. Aproveitava que já ia ficar longe de casa e me debrucei nos livros. Comprei alguns materiais pela internet, comprei livro físico de específicas para ficar o tempo todo a disposição, me inscrevi em diversos canais de youtube que ministravam aulas assim como o AlfaCon. Permaneci motivado todo o tempo, embora tive momentos de cansaço, nunca pensei em desistir. Pensei muito na minha família, foi o que mais me motivou. Durante minha preparação tive que abrir mão de algumas várias coisas sim, como exemplo, deixei de brincar com meus filhos, deixei de sair com a família, quase não assisti televisão, enfim, foi sacrificante, mas compensador. Sou casado há 17 anos, tenho dois filhos maravilhosos, uma esposa maravilhosa, e todos me apoiaram nessa caminhada, sem exceções, inclusive parentes me apoiaram também. Tentei o concurso do INSS em 2012, porém não tinha estudado com a mesma dedicação, tentei da UEM mas também não passei. Comecei bem antes de sair o edital. Como fazia algum tempo que tinha sido o último concurso, tive certeza que o edital ia realmente sair. Conheci o AlfaCon pela internet. O AlfaCon me ajudou bastante, principalmente as dicas de estudo, agradeço a todos os professores, especialmente o Thallius, pela sua forma de ensinar que me ajudou muito. Minha maior dificuldade foi aprender raciocínio lógico que tive mais dificuldade, as outras matérias era basicamente ler, e isso fiz muito.

    Acho que a vontade de passar foi tanta que fiz o estudo entrar na mente. Quando colocamos na cabeça tudo é possível. A ansiedade me incomodou um pouco realmente, fiquei muito ansioso, mas não chegou a me atrapalhar. Nos últimos dias potencializei meus estudos e assisti o plantão de véspera do Alfacon. Mas relaxar de verdade, confesso que não consegui. Falhas sempre tem, acho que negligenciei em algumas matérias, por exemplo dentro das específicas, quase não estudei Assistência Social e isso poderia ter me custado a aprovação, já que nessa disciplina tivemos 15 questões. Mas com certeza a vontade de ser funcionário público e poder dar uma vida com mais conforto para minha família foi a mola propulsora que me manteve motivado todo o tempo. Para passar em um concurso público desse porte, minha dica é não achar que a concorrência vai atrapalhar (foram mais de 1 milhão de inscritos). Se você esquecer que existe concorrência, consegue ter mais esperança e consequentemente estuda mais. Mas o mais importante em tudo isso é estudar até passar. Não desista se não passar de primeira, a sua hora vai chegar!!

    Ler depoimento completo
  • Romaro Veloso INSS 2016
    Romaro veloso  alfacon

    Meu nome é Romaro, sou da Bahia, Iraporanga, tenho 30 anos, sou formado em Gestão Financeira. Decidi estudar para concursos por causa dos salários, estabilidade e porque só depende de nós mesmos. Estudei para o INSS desde o segundo semestre de 2014 e agradeci quando não saiu o edital no final de 2014, não estava preparado. Estudava todos os dias, via vídeo aula, fazia anotações e lia o material e respondia muitos exercícios. Estudava mais Previdenciário e Português. Estudava e trabalhava. Com o edital aberto, estudava das seis às oito horas e depois ia trabalhar, saía do trabalho as 18:00h e ia para o Alfa, lá era das 19 às 22 horas. Aos sábados estudava das nove e trinta até às 18:30, eu acho. Domingo simulados no Alfa ou em casa mesmo. Estudei com materiais do AlfaCon mesmo. Apostilas, presencial e eventos free. Sempre estive motivado, na reta final estava cansado, mas não dava mais para parar nem descansar. Lembrava do Thállius falando que valeria o esforço e seguia em frente. Abri mão de muita coisa, estudava aos fins de semana, feriados, passei minhas férias em casa estudando, carnaval, festas de fim de ano. É preciso muita disciplina para não relaxar, mas quando cansava dava uma parada, às vezes ficava um dia inteiro sem estudar.

    Sou casado, minha mulher me apoiou muito e foi muito importante nessa jornada, devo muito a ela, minha querida Cássia Lima. Fiz outras provas durante esse tempo. Fiz o TCE-SP, parei o curso do INSS para fazer o do TCE-SP lá no próprio Alfa SP, mas não fiquei nas vagas (fiquei em 198º de 105 vagas) aí decidi não mudar mais o foco e ficar só estudando para o INSS. Mas fiz outras provas: (MP-SP OFICIAL aprovado mas fora das vagas); (DPU - Agente Administrativo, fiquei em 16º de 23 vagas, fiz só pra ver como era a prova da CESPE, primeira vez aprovado dentro das vagas); (AMLURB - Analista Fiscal, fiquei em 6º de 54 vagas); Mas até agora ninguém chamou rsrs. Comecei a estudar em 2014 quando já tinha o boato de abrir o concurso, coisa que não aconteceu (ainda bem). Para continuar motivado eu pensava que se parasse agora poderia ter que voltar no futuro e ter que começar tudo de novo. Como se diz: - O concurso é uma fila... Conheci o Alfa pela internet, o online, depois uma amiga que estudava lá indicou e fui conhecer e fiquei. Com o material de qualidade e as aulas, tem muitos professores bons, as turmas de exercícios e os simulados também contribuíram muito. Não tenho técnica específica. Gosto de ler, depois ver vídeo aula, fazer anotações, exercícios, e muita repetição. Minha maior dificuldade no começo, foi disciplina, pra estudar em casa. Pensava no resultado e no que poderia mudar a minha vida, e pensar que só dependia de mim era e ainda é umas das coisas que me fazia continuar firme. Quando o edital sai é uma mistura de emoções, ao mesmo tempo você acha que falta pouco e muito tempo, quer que chegue logo a prova, quer que demore, é uma bagunça. Mas mantive o foco e estudei ainda mais, havia dias que respondia 700 e tantas questões, ficava ansioso e matava a ansiedade estudando, todo minuto era um momento para estudar. Acredito que fui efetivo pelo resultado, mas acredito que sempre é possível melhorar. Se tivesse saído o edital no final de 2014 ou início de 2015 não teria me saído bem.

    Não desistam, lembrem-se que se você sair hoje pode ter que voltar amanhã e voltará para o final da fila, lembrem-se que todo o esforço valerá, e que é melhor passar o resto dos dias aproveitando os resultados do que lamentando ter desistido, não será fácil a aprovação, fácil, só desistir.

    Ler depoimento completo
  • Alessandra Pavan INSS 2016
    Alessandra pavan   alfacon

    Meu nome é Alessandra Pavan, sou de São Paulo/SP, tenho 35 anos, sou formada em Direito e decidi estudar para concursos públicos por conta da instabilidade na iniciativa privada.

    Para o concurso do INSS, estudei aproximadamente um ano. Fiz um cronograma de estudos o qual contemplava duas matérias ao dia mais exercícios. Dediquei mais tempo para Português e Direito Previdenciário por considerar essas matérias de extrema importância para esse concurso.Durante quase todo o período de preparação eu conciliava trabalho e estudo, mas alguns meses antes da prova, o escritório onde eu trabalhava fechou e eu passei a me dedicar inteiramente aos estudos. De segunda a sexta feira estudava em casa, aos sábados fazia um curso presencial no AlfaCon/SP e aos domingos fazia simulados.Estudei por vídeo aulas, apostilas do AlfaCon e minhas anotações de aula, de forma geral contemplavam boa parte do conteúdo do edital.

    Estive motivada durante todo período da preparação. Houve alguns momentos de desânimo, mas por conta do cansaço. Jamais pensei em desistir, muitas vezes buscava motivação lendo depoimento de alunos aprovados.Abdiquei de muitas coisas como, família, amigos, festas e outras coisas mais. Reservava, apenas, um período do domingo (após o realização do simulado) para arejar a mente e fazer algo diferente que não fosse estudar. Sou casada, meu esposo e meus pais me apoiaram e aceitavam minha rotina, alguns amigos acabaram se afastando porque recusei muitos convites durante a preparação. Fiz outras provas antes do INSS e achei a experiência muito válida para verificar se estava no caminho certo ou se precisava fazer algum ajuste no meu cronograma de estudo. E, também é importante para nos adaptarmos ao tempo de prova. Comecei a estudar antes do Edital, para manter a motivação lia depoimento de alunos aprovados e imaginava minha vida após a posse. Conheci o Alfacon através da internet, fiz uma visita à Unidade São Paulo/SP e gostei.

    Antes do INSS já havia feito outro curso presencial em São Paulo/SP e, por experiência própria, posso dizer que o AlfaCon é diferenciado. Os professores, sem exceção, sempre foram atenciosos e motivados, obtive muito auxilio para esclarecimento de dúvidas, técnicas de estudos e elaboração de cronograma. Até gostaria de aproveitar o ensejo para deixar meu agradecimento especial ao Professor Rezende, Professora Silvia Ferreira e Professor Omar Chamom.

    Não utilizei muitas técnicas para estudar, apenas lia o conteúdo, fazia centenas de exercícios de provas anteriores e para alguma coisa que eu tinha um pouco mais de dificuldade de memorizar eu fazia mapas mentais e fixava no em um mural no meu local de estudos.

    Estudar tanto conteúdo diferente sem perder o foco e as constantes atualizações ocorridas na legislação previdenciária, foi minha maior dificuldade. Realmente é difícil controlar a ansiedade, tomei muito chá de camomila... rsrsrs e potencializei os estudos. Acredito que a realização de muitas questões de provas anteriores e muitos simulados fizeram a diferença. No início da minha preparação houve falha sim, tinha dificuldades para organização, elaboração de plano de estudos e com demora do edital, acabei perdendo um pouco o foco, negligenciei alguns assuntos para estudar outros que não foram cobrados no concurso do INSS. Deixo um recado para todos que estão estudando: tenham muita paciência e persistência, a caminhada é árdua, mas a aprovação é certa.

    Ler depoimento completo
  • Marcos Dias DEPEN 2015
    Marcos dias   01

    Meu nome é Marcos Dias, em 2014 eu entrei para o curso de Carreiras Policiais do AlfaCon, eu estudava de manhã, tarde e noite. Logo que abriu o edital do Depen, eu levanta 7h da manhã e estudava até 11h30, retornava às 14h e continuava o estudo. Por volta das 18h, começava a preparação para o TAF, então ia correr, fazia natação, ia a academia. À noite, a mesma rotina, estudo e mais estudo. Depois da dedicação, veio a aprovação. A formatura foi meu dia mais feliz. Estou feliz pra caramba! Tenho que aproveitar porque a caminhada não para aqui, vai continuar, mas aqui no Depen eu vou fazer o possível para ser o melhor servidor e cumprir a missão com orgulho. Só posso dizer que todo o esforço e estudo valeram muito a pena. Se pudesse, voltaria atrás e começaria tudo de novo porque a sensação de ser um parovado é indescritível.

    Ler depoimento completo
  • Rodrigo da Silva Corrêa Polícia Federal 2014
    Rodrigo correa

    Meu nome é Rodrigo da Silva Corrêa, tenho 35 anos e meu sonho sempre foi ser um Policial Federal. Em agosto de 2013 decidi começar a estudar e o grande “empurrão” foi a perda do emprego e alguns problemas de saúde. Acho que foi o destino. Não sabia nada sobre o assunto e busquei no Google: “Curso para concursos público”, foi quando eu encontrei um vídeo do Evandro e do Thállius ensinando sobre o assunto. Nesse vídeo, além das dicas, estava lá o Evandro falando do seu carro blindado de 400mil. Por várias vezes pensei em fechar aquele vídeo, mas sei lá, alguma coisa me prendeu ali e fez com que me fez “fechar” com o AlfaCon até hoje. Comprei a ideia, as apostilas, os cursos e... hoje eu tô aqui, Policial Federal. Agora entendi porque fiquei naquela página, acho que era o destino conspirando a favor. Estudei com muita dedicação por 17 meses, sábados, domingos e feriados, abri mão de tudo e de todos, fui chamado de antissocial por diversas vezes. Nem ligava. Mas, após ver meu nome no DOU, percebi o quanto valeu a pena aquilo tudo. Após todas as fases, que são muitas, ao longo de todo curso de formação, com a chegada do baile e da formatura a sensação é única e inexplicável. Fazer parte da maior, e na minha opinião, a melhor, força policial do país é um orgulho e uma honra muito grande. Sempre sonhei em fazer a diferença para o Brasil e a sociedade. O momento chegou. A ficha vai caindo aos pouquinhos, cada dia na nova profissão, uma nova experiência. Aqui cheguei e daqui não saio mais, pois hoje estou no melhor cargo, do melhor órgão do Brasil. Visto preto com muito orgulho, essa farda fala por si só. Agradecer ao Evandro e a Tati pela oportunidade e confiança (às vezes maior do que eu mesmo) e a toda equipe AlfaCon que me deram toda estrutura, suporte e conhecimento para que eu pudesse chegar a realização do meu sonho.

    Ler depoimento completo
Carregando...